sexta-feira, 24 de outubro de 2008

#10

Existem duas coisas que geralmente me ferram: a esperança e a expectativa.

Sim, podem ser parecidas, mas, ao menos para mim,não são iguais.
E eu consigo ter expecativas a todo momento. E sobre tudo.
É quase um dom. Um talento, talvez. Sei lá.

Mas sei que as minhas expectativas ultrapassam o que desejo. Em certo ponto elas começam a ter vida própria e eu simplesmente perco o controle sobre elas. Chegam a me assustar.
Minha esperança é diferente. Ela está sempre comigo, mas nao chega a me perseguir. Por mais que se diga que ela é 'a última que morre', ela acaba, às vezes. Só que ela não morre exatamente. Se esconde. E eu chego a fingir que não mais a tenho, mas sei que ela ainda se mantém em mim. Não adianta.

É, são bem parecidas mesmo. O problema da expectativa é que ela me consome. E tudo isso só para me decepcionar no final. Não é masoquismo, mas minhas decepções são sempre as mesmas. Já devia ter tentado parar de enganar a mim mesma. Todavia eu tento, incessantemente, nunca me dar por vencida por elas; e não desistir.
Às vezes é até bom ser um pouco esperançosa demais. Mas quanto às minhas expectativas, ah, essas eu não fazia tanta questão de ter.
Pelo menos não em tanta quantidade.

2 comentários:

Gicela disse...

Isso é verdade...
No meu caso quanto mais tenho expectativas, mas decepcionada fico "/

shaushuas

Você escreve MUITO bem cara

Parabéns!!

AmoOoO monumentoO!!!

Ariadine disse...

ual !!!

mto bom cra...super refexoes...
nunca tinha pensado nessa tiverença sutil porem crucial entre expectativa e esperança..mto bom mesmo

bjaooo amooo